Sobre defensivos agrícolas, Embraer, Boeing e catchup






Polêmica nas redes sociais e assuntos entre o pessoal que faz política no Brasil nos últimos dias, a regulamentação dos químicos usados nas lavouras pode ser uma ótima oportunidade para melhorarmos ainda mais a nossa economia no campo. O Brasil não é o país que, proporcionalmente, mais usa os químicos no campo. Estamos em sexto ou sétimo lugar. Claro, com a nossa enorme extensão de terras agricultáveis, acabamos por ser o país que mais usa. Mas o uso é bem espalhado por este Brasilzão a fora. A oportunidade para o debate é que o uso dos químicos na lavoura tem barateado e aumentado a nossa produtividade. Mais e mais alimentos chegam, mais baratos, à mesa de mais gente. E muitos pobres têm acesso a estes grãos, frutas e verduras. Disso não há o que discordar. O uso de alimentos orgânicos, ou que crescem sem o uso de químicos, é insuficiente para alimentar todo mundo. O quilo do tomate orgânico chega a ser oito vezes mais caro que o tomate cultivado com o uso de químicos.

Japão, Coreia do Sul, Alemanha, França e Itália consomem, proporcionamente, muito mais defensivos agrícolas que o Brasil

A produção de alimentos orgânicos, por mais propaganda descolada e bacaninha que possa receber, ainda é muito complicada. Há um descarte imenso de alimentos, especialmente na fruticultura, para apresentar ao consumidor final as frutas com aparência bonita. Com a irregularidade da plantação, há muitas frutas e verduras que fogem do padrão visual da boa compra na gôndola do supermercado ou na banca da feira.
O uso de químicos na lavoura faz bem à humanidade. Nunca tivemos tanta oferta de comida no mundo. E a indústria de químicos evolui a cada ano para entregar mais e mais produtos mais eficientes e precisos nas suas funções. Ficar dizendo que o governo brasileiro está incentivando e liberando o uso de veneno na produção é de uma enganação perversa. Ninguém, em nenhum governo democrático, quer matar pessoas. Os governos querem, isso sim, o aumento da produção de alimentos para o maior número de habitantes.

Embraer x Boeing

A Embraer está se unindo à fabricante de aviões Boeing. Pelo tamanho, pela liquidez e pelo poder de caixa, a Boeing está levando a Embraer. Por isso, neste início de mês de julho, muita gente no Brasil fica dizendo que os “americanos engoliram a Embraer, orgulho brasileiro”. Pois, bem. A Embraer continua sendo um orgulho brasileiro. Mas a Boeing é mais competente no quesito força de venda mundial. Eles, da Boeing, viram na Embraer uma oportunidade de entrar no mercado de aeronaves médias, de 100 passageiros, para a aviação regional. A Airbus, o consórcio europeu, nessa mesma lógica “está engolindo” a canadense Bombardier.
Para quem fica reclamando e fazendo coro ao complexo de vira-latas, fica o conselho para que possamos ter uma outra empresa aeronáutica. Com incentivos de brasileiros comprando coisas de brasileiros. É assim que as coisas andam.
Há uns dez anos, os brasileiros saíram comprando coisas ícones de economias desenvolvidas. Foi assim com a Budweiser, a Stela Artois, o Burger King e o catchup Heinz. Tem choro no início. Mas, no final, a fica a certeza de que é bom estar em uma economia em que uns compram dos outros. É assim que funciona o mercado e é assim que o mundo evolui.
Faça parte da evolução.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os trinta anos da internet como nós a conhecemos hoje

Humberto Martins sai de cena em verão 90

Três abordagens sobre Venezuela