Minha análise parcial sobre as eleições de 2018





Votei no Jair Bolsonaro no primeiro turno. Tenho convicção de que é a melhor opção para o Brasil hoje. Gostei do resultado, apesar de esperar que ele pudesse levar a Presidência já no primeiro turno. Não deu, mas faltou pouco. A seguinte análise passa pela consolidação da democracia no Brasil. O processo democrático foi mostrado no domingo de 7 de outubro. Problemas nas urnas foram registrados aqui ou acolá, mas não se configuraram como nenhum tipo de conspiração do mal para evitar os votos neste ou naquele candidato.

Pouca gente foi presa. Não houve registro de gente impedida de votar. Pode ter havido algum caso em algum distante rincão. Mas nada que pudesse arranhar o processo de votação. A votação transcorreu normalmente, dentro da normalidade brasileira, com a página do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na internet fora do ar nos momentos em que as pessoas mais queriam ver os resultados.

E os resultados mostraram que boa parte do eleitorado brasileiro buscou candidaturas identificadas com a direita. Uma nova direita democrática que emergiu do fracasso administrativo, político e moral do Partido dos Trabalhadores e dos demais partidos alinhados com a esquerda no Brasil. Resultados como os de Minas Gerais, onde o atual governador, Fernando Pimentel, ficou fora do primeiro turno. Além, é claro, da estrondosa derrota da presidente impedida Dilma Rousseff, que concorria a uma vaga no Senado e ficou em longínquo quarto lugar.

Também no Rio Grande do Sul, onde o PT ficou fora do segundo turno, reduziu sua bancada na Assembleia Legislativa e não apresentou nenhum nome novo como renovação de seus quadros. Derrota do PT no Rio de Janeiro, onde o partido era aliado de primeira hora da quadrilha chefiada pelo ex-governador Sérgio Cabral, hoje preso com condenações múltiplas por corrupção.
O PT e a esquerda encontraram porto seguro apenas nos estados do Nordeste Brasileiro. Naquela sofrida região, o partido e seus puxadinhos do mesmo campo ideológico se mantém no poder graças a uma prática tão combatida pelos próprios petistas em outras épocas: o assistencialismo pesado e a manutenção de currais eleitorais.

Campeões de votos para as assembleias legislativas estaduais estão no campo da direita. Especialmente, no campo identificado com o candidato Jair Bolsonaro. O partido que o acolheu, há menos de um ano para que concorresse às eleições, saltou de um para 51 deputados federais. A jurista Janaína Paschoal, a defensora do impeachment de Dilma, foi a deputada mais votada da história. No Rio Grande do Sul, um tenente-coronel do Exército de 44 anos, filiado ao PSL, tornou-se o deputado estadual mais votado destas eleições, o que garantiu uma bancada de quatro parlamentares.

No Rio Grande do Sul, o deputado federal mais votado é um jovem filiado ao partido novo. Marcel Van Hatten, cravou mais de 300 mil votos. Com mínimo espaço na televisão, com nenhum dinheiro de fundo partidário e com um discurso de direita e estado mínimo, papou a eleição. Van Hatten era do Partido Progressistas, pelo qual havia sido eleito suplente em 2014. Assumiu a cadeira na Assembleia por dois anos e meio. Fez a diferença no período. Filho de pai holandês, tem fluência na língua paterna e no inglês, inclusive dando palestras em várias universidades brasileiras.

Pois, bem.

Os exemplos de candidatos da direita eleitos com votações esmagadoras são registrados em vários estados brasileiros.

Qual o motivo disso acontecer? O fracassso do PT como partido hegemônico na política brasileira desde a eleição de Lula (preso por corrução) em 2002. O descalabro administrativo, o incentivo de políticas públicas descoladas da realidade e dos costumes brasileiros, o maior conjunto de roubo de dinheiro público da história mundial e a tentativa de controle socialista da pátria brasileira terminaram por deixar a população propensa a votar em outra alternativa.

Jair Bolsonaro mostrou ser a alternativa. Com o discurso de direita, de retorno a valores tradicionais da sociedade, da desconstrução do conjunto da narrativa esquerdista e com a linguagem do povo, Bolsonaro quase levou a eleição no primeiro turno.

Para um determinado estamento da sociedade, o discurso e a narrativa de que Jair Bolsonaro é fascista só fizeram o brasileiro comum ter ainda mais simpatia pelo ex-capitão do Exército.

É isso. Volto a escrever sobre política um pouco antes da votação do segundo turno.

Um abraço e obrigado por ler até aqui.

Comentários

  1. Grande Miguelito... um cara sempre sensato e inteligente... juro que até hoje não entendi a simpatia que tu tinhas pelo PT, mas ainda bem que as pessoas acordam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rapaz, eu fui um militante filiado e tudo. Desde 1989. So que a paixão foi diminuindo, diminuindo... Ate virar uma grande desilusão

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Lula preso. Passou um filme na cabeça

Meu voto para deputado estadual é de Dirceu Franciscon