Tolerância, respeito e diversidade na prática

Homem da tribo do abraço: Caco e a assessora do vereador Santana, Dai Gomes (Selfie dela)


Ele gosta muito de dizer que muita gente fala muito e faz pouco. Diz isso com o gesto, com as pontas dos dedos se mexendo perto da boca. "Falar é fácil, quero ver fazer", repete sempre, com ou sem microfone na mão. Everton Alfonsin é um multifazedor de coisas; multiorganizador de eventos, de campanhas, de rodas de amigos. Everton Alfonsin, o Caco, comemorou no último dia 15 de Novembro os dez anos de fundação da Federação Afro Umbadista e Espiritualista do Rio Grande do Sul (Fauers). Lotou o Auditório Araújo Viana, em Porto Alegre, com entidades da religião de matriz africana de todas as partes do Rio Grande do Sul. Uma grande festa. Um presente para seus associados.

Há dez anos, o empresário e líder espiritual Everton Alfonsin, de Canoas, na Região Metropolitana, juntou um grupo de praticantes das religiões de matriz africana e fundou a Fauers. Uma entidade que nasceu sob o signo da busca por mais respeito, solidariedade, reconhecimento e tolerância envolvendo a questão do direito à livre expressão religiosa.
Nestes dez anos, a Fauers tomou corpo e se tornou uma entidade importante na busca de reconhecimento e da tolerância religiosa. Além da presidência da Fauers, Caco é um personagem múltiplo. Além de líder espiritual, também é entusiasta de carros e caminhões antigos, é líder de entidades de ação social que cuidam de um asilo, uma casa de apoio e uma casa para crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. 
Também dá cursos de tiro e direção evasiva, especialmente para agentes de segurança, como guardas municipais e policiais civis. 
Voltando à festa de dez anos da Fauers, o evento foi grandioso, com a presença de humoristas, como Cris Pereira, com seu personagem Gaudêncio, o cantor Daniel Torres, escolas de dança, e o nigeriano Lumi, vencedor do The Voice Brasil.
A festa teve sorteios, distribuição de brindes, discursos e muita alegria. Muito axé. 
O ponto alto da festa perpassou por todo o evento. Foi a tolerância na prática. Foi o fazer respeito, dignidade e diversidade. Todo o envolvimento da Fauers, sob a liderança do Caco, vai na direção da tolerância e da prática do respeito. No cotidiano, em cada ação que é feita. 
O Caco é um cara intenso. Entrega-se de verdade em tudo o que faz. Por isso que suas ideias que viram coisas que dão certo. 


Comentários

  1. Admiro teu trabalho Miguel, um cara de uma inteligência inconfundível. Parabéns 👏🏼

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os trinta anos da internet como nós a conhecemos hoje

Humberto Martins sai de cena em verão 90

Três abordagens sobre Venezuela