Prisão de Moreira Franco e a maldição do petróleo no Rio de Janeiro

Prisão de ex-governadores do Rio de Janeiro. Petróleo nas mãos do governo. Riqueza concentrada. Maldição do petróleo. E a soja, que tem sua riqueza bem melhor distribuída e não está na mão do governo. Algumas linhas para pensar em tudo o que está acontecendo por aí



Pobreza em Lagos, capital da Nigéria (Foto: Anistia Internacional) 



Com a prisão nesta quinta-feira, 21mar2019, do ex-ministro Moreira Franco, o Rio de Janeiro passa a ostentar a triste marca de ter todos os seus ex-governadores presos ou fugitivos. Sim. Desde a redemocratização, o Rio de Janeiro teve Leonel Brizola, que não foi preso em 1964 porque fugiu para o Uruguai, onde permaneceu no exílio até 1979. Brizola foi eleito para ser governador no Rio de Janeiro em 1982, como primeiro eleito depois do período militar. Depois dele, todos os governadores eleitos para o cargo no Rio de Janeiro foram presos. Por corrupção. Nesta lista, não entram Benedita da Silva nem Nilo Batista, pois foram vices.

A prisão de Moreira Franco, no âmbito das investigações da Lava-Jato, traz à lembrança de que o Rio de Janeiro, mesmo sendo um dos estados mais ricos do Brasil, é também uma das unidades da federação mais problemáticas. As notícias que vêm do Rio de Janeiro são, em sua maioria, ruins. A violência, o tráfico de drogas, o contrabando, a corrupção, a lavagem de dinheiro, a prostituição em níveis industriais e as doenças tropicais – muitas delas oriundas da proliferação de mosquitos – são fontes inesgotáveis de notícias ruins.

Também pode-se colocar na lista de notícias ruins o descalabro financeiro das contas públicas, com salários do funcionalismo atrasados há anos, a crise da moradia e o caos na saúde pública. Os hospitais públicos do Rio de Janeiro são case internacional de como a corrupção na saúde impacta negativamente na vida das pessoas.

A corrupção envolvendo dinheiro para o Carnaval, com a presença do dinheiro do jogo do bicho, o superfaturamento de obras da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos são a cereja do bolo da corrupção e do descaminho da coisa pública no Rio de Janeiro nos últimos 30 anos.

Então. Coincidência é que o Rio de Janeiro é a sede de uma das maiores empresas petrolíferas do mundo. A Petrobras tem seu edifício-sede no Centro do Rio de Janeiro. A estatal, como foi provado pelas condenações da Lava-Jato, foi o cerne do maior escândalo de desvio de dinheiro público do mundo moderno.
Empresas de petróleo monopolistas na mão do estado são fontes de corrupção na maioria dos casos ao redor do mundo. Basta ver as petrolíferas que exploram petróleo na maioria dos países onde há ditaduras. São todas estatais. Aqui do lado, na Venezuela, a estatal PDVSA foi usada pelo governo socialista para distribuir benesses e comprar apoio. Dentro e fora do país.

Com a Petrobras não foi diferente.

Agora, trocando o rumo da prosa. Vê-se que um setor monopolista de produção de commodities na mão do estado gera a corrupção.

Diferente de outro setor que produz commodities que não está na mão do Estado. Trata-se aqui do setor do agronegócio brasileiro, especificamente da cultura de soja. Um produto internacionalmente de preço alto que gera riqueza em diversos setores da economia, como a fabricação de máquinas agrícolas, sementes, tecnologia de plantio e fertilizantes.

A riqueza da cultura de soja é distribuída, difundida entre os milhões de produtores espalhados por praticamente todos os estados brasileiros. O empresário produtor que planta milhares de hectares recebe o seu dinheiro no final da safra, assim como o pequeno agricultor familiar que planta soja em 50 hectares. O preço é igual para os dois casos.

Não há notícias de esquemas de corrupção na plantação de soja. Justamente porque a riqueza é distribuída por milhões de produtores. Ela não passa pela mão do estado.

Diferentemente da riqueza do petróleo onde a produção é monopolista e está na mão do Estado. O dinheiro fica não mão do governo.

E é aí que mora o perigo. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os trinta anos da internet como nós a conhecemos hoje

Humberto Martins sai de cena em verão 90

Três abordagens sobre Venezuela